15 em 15: As melhores séries de Playoffs dos anos 2000 – Leste (#15-#11)

VAVEL

A temporada 2015-2016 da NHL ainda vai demorar a chegar, mas todo dia é um bom dia para falar sobre hóquei! A última temporada foi espetacular do inicio ao fim, incluindo o desempenho brilhante de Carey Price (que se brincar ainda está recebendo prêmios), o LA Kings fora da luta pela Stanley Cup e séries emocionantes de playoffs.

Por falar em playoffs, você tem uma série especial? Aquele confronto que você nunca vai esquecer? Pensando nisso, eu, Mateus Luiz (também humildimente conhecido como @puckbrasil1) resolvi ranquear as 15 melhores séries de playoffs dos anos 2000. Mas antes de começarmos, vamos ressaltar alguns pontos importantes:

1) Cada conferência terá seu top 15 especial, assim evitando que o ranking fique penso para um dos lados.

2) Seguindo o ponto acima, nenhuma série que definiu a Stanley Cup será incluída aqui.

3) A série disputada em 2000 terá o mesmo peso de avaliação que a série disputada dois meses atrás.

4) Em todas as séries, além da competitividade (29 das 30 escolhidas aqui foram a no minimo seis jogos), buscamos também algum fato histórico ou outro ingrediente que fizesse daquela série um confronto especial.

5) Como é um material extenso demais para se botar em um post só, para o bem do amigo que nos lê e para esse amigo que vos escreve, o ranking será divido em seis posts no formato 15-11/10-6/5-1.

6) Não concordou com as escolhas? Queria ver mais séries com seu time? Não se preocupe! Após a divulgação completa dos rankings, vamos disponibilizar as 66 séries usadas como inicio de pesquisa (37 no leste e 29 no oeste) para que os leitores criem seu próprio top 15. As mais votadas serão publicadas.

Sem mais delongas, vamos começar!

15) #7 Philadelphia Flyers 4-1 Montreal Canadiens #8 – Final da Conferência Leste 2010

A única série de ambos os rankings que acabou em menos de seis jogos. Flyers e Canadiens fizeram história por formarem a final mais improvável da NHL moderna. Pela primeira vez, os seeds #7 e #8 chegaram a final da conferência. Ambos já tinham se encontrado dois anos antes, quando o Flyers eliminou o favorito e top-seed Montreal Canadiens em cinco jogos com a atuação fantástica de R.J. Umberger, que marcou oito gols na série.

Em 2010, o Flyers também não deu muitas chances ao Canadiens. Com três shutouts em cinco jogos, Michael Leighton continuou seu playoff milagroso em 2010 e esfriou por completo o ataque do Canadiens, já que se somados Mike Cammalleri (líder dos playoffs de 2010 em gols com 13), Scott Gomez, Andrei Kostitsyn e Tomas Plekanec marcaram apenas dois gols em toda a série. Liderados por Leighton, Daniel Briere e Claude Giroux, o Flyers sofreu apenas dois gols nas três partidas que jogou em casa e marcou 13, consagrando uma das runs mais inesperadas dos últimos anos.

Jogos: Flyers 6-0 Canadiens, Flyers 3-0 Canadiens, Canadiens 5-1 Flyers, Canadiens 0-3 Flyers, Flyers 4-2 Canadiens.

MVP: Michael Leighton – 3 shutouts, 7 gols sofridos em 5 jogos.

14) #4 Boston Bruins 4-3 Toronto Maple Leafs #5 – Quartas de finais da Conferência Leste 2013

Toronto, aka centro do mundo da NHL, voltava aos playoffs pela primeira vez desde 2004 (eliminado pelo Philadelphia Flyers) e também voltava a encarar o Boston Bruins nos playoffs pela primeira vez em 39 anos. A série se mostrou equilibrada nos dois primeiros jogos, a primeira peleja foi vencida pelo Bruins com bela atuação de David Krejci (1G, 2A) e o jogo 2 foi vencido pelo Leafs no que pode ser considerado o melhor jogo de Joffrey Lupul (2G) com a camisa azul e branca.

A série começa a tomar contornos dramáticos quando o Bruins foram a Torornto (que recebia o seu Leafs em playoffs pela primeira vez em nove anos) e venceu os jogos 3 e 4 contando com atuações espetaculares de David Krejci, que marcou quatro gols nas duas partidas (incluindo hat-trick e OT winner no jogo 4), dando aos ursos a vantagem suprema na série. Com as costas na parede, foi a vez de James Reimer roubar o show e devolver esperança ao Leafs.

Com 72 defesas em 74 chutes (incluindo 43 defesas no jogo 5), Reimer e companhia venceram o jogo 5 em Boston e o jogo 6 em Toronto (1° vitória do Leafs contra o Bruins jogando em Toronto desde 1959), puxando o Bruins para o jogo 7 no TD Garden, onde tinha sido eliminado em três dos últimos quatro anos.

No jogo 7, o Bruins se viu perdendo por 4-1 (2 gols de Cody Franson) com menos de 11 minutos para o fim da partida, foi ai que o histórico se tornou épico. Coube a Patrice Bergeron salvar o dia e a série para os ursos, quando já nos dois minutos finais e perdendo por 4-2 ele participou do 3° gol (marcado por Milan Lucic), e marcou os gols do empate e o da virada no overtime. Ninguém afirma diretamente, mas a derrota neste jogo foi o começo do fim para a era Randy Carlyle/Dave Nonis em Toronto, já que muitos consideraram inaceitável a derrota da forma que ela ocorreu no jogo mais importante da franquia em 10 anos.

Jogos: Maple Leafs 1-4 Bruins, Maple Leafs 4-2 Bruins, Bruins 5-2 Maple Leafs, Bruins 4-3 Maple Leafs (OT), Maple Leafs 2-1 Bruins, Bruins 1-2 Maple Leafs, Maple Leafs 4-5 Bruins (OT).

MVP: David Krejci – 13 pontos em 7 jogos (5 gols e 8 assistencias, hat-trick, 2 jogos com 3+ pontos).

13) #5 Buffalo Sabres 3-4 Pittsburgh Penguins #6 – Semifinais da Conferência Leste 2001

“Oh baby! This is a movie or what?”. Esta frase foi dita (ou melhor dizendo, narrada) por Bob Cole no dia 27/12/2000, quando Mario Lemieux marcou seu 1° gol na volta a sua carreira como jogador. A última temporada vitóriosa de Lemieux em Pittsburgh (jogou até 05-06, mas a temporada 00-01 foi a última vez que Lemieux e o Penguins nos playoffs antes da era Crosby/Malkin) pareceu mesmo um filme.

Em seu inicio, a série que tinha o confronto Mario Lemieux x Dominik Hasek como a grande história, viu Johan Hedberg (goleiro do Penguins) roubar a cena e os jogos 1 e 2 a favor de Pittsburgh. Em ambas as partidas ele sofreu apenas um gol em 45 chutes disparados pelo ataque do Sabres liderado por Doug Gilmour, Dave Andreychuk e Maxin Afinigenov. A alegria do Penguins foi rapidamente encerrada quando o ataque do Sabres voltou a vida marcando nove gols nos jogos 3 e 4 em Pittsburgh, empatando a série.

O drama do confronto “realmente começou” no jogo 5 em Buffalo, quando o Penguins abriu 2-0, mas cedeu o empate em um shorthanded goal de Curtis Brown e no overtime, Stu Barnes, vindo de um jogo que marcou três pontos, deu a vitória e a liderança da série ao Sabres. De volta a Mellon Arena, o Sabres ganhava a partida e ia a final do leste até os 18:42 do último período, quando Mario Lemieux (assim como um herói de cinema) empatou o jogo e forçou o overtime, onde Martin Straka deu nova vida ao Penguins na série.

Na HSBC Arena para o jogo 7, o Sabres também liderava o placar por 2-1 no último periodo, até Robert Lang empatar novamente a partida, ai veio o herói inesperado em Darius Kasparatis. Antes de ser herói, ele quase foi vilão ao cometer, na visão de muitos, uma penalidade (delay of game) não marcada pela arbitragem e no overtime (pelo 3° jogo seguido), Kasparatis marcou seu segundo gol em 57 jogos de playoffs e deu ao Penguins a vaga na final da conferência contra o Devils. Se ele esperava? Ele respondeu: “Eu ainda não acredito que marquei um gol”.

Jogos: Penguins 3-0 Sabres, Penguins 3-1 Sabres, Sabres 4-1 Penguins, Sabres 5-2 Penguins, Penguins 2-3 Sabres (OT), Sabres 2-3 Penguins (OT), Penguins 3-2 Sabres (OT).

MVP: Jaromir Jagr – 6 pontos em 5 jogos (1 gol, 5 assistências).

12) #3 Washington Capitals 3-4 Philadelphia Flyers #6 – Quartas de finais da Conferência Leste 2008

A primeira vez de qualquer coisa boa é sempre especial e não foi diferente para Alex Ovechkin, que disputava a 1° série de playoffs de sua vida. No jogo 1 do sertame, até o glórioso Donald Brashear marcou, mas os destaques da partida eram Daniel Briere e Mike Green com o jogo empatado em 4-4 no último periodo, até que o puck se ofereceu para Alex Ovechkin marcar o primeiro gol de sua carreira nos playoffs e dar a vitória ao Caps, mas o clima de festa durou pouco, já que o shutout de Martin Biron ajudou o Flyers a empatar a série.

Na Philadelphia, 16 (!!) gols foram marcados nos jogos 3 e 4. O jogo 3 teve de brigas a penalty shot (convertido por Mike Richards) e Daniel Briere foi novamente decisivo ao fazer três pontos e dar a liderança da série aos homens de laranja. Briere foi estrela novamente no jogo 4 ao marcar seu 5° gol da série e forçar overtime. No 2° tempo extra o herói foi Mike Knuble, que aproveitou um puck perdido na crease e deu ao Flyers a liderança na série por 3-1.

A beira do precipicio, o Capitals mudou o momento da série ao vencer o jogo 5 contando com dois power play gols e boas atuações dos russos Sergei Fedorov e Alexander Semin. De volta na Philadelphia, Alex Ovechkin voltou a vida ao marcar depois de cinco jogos, fazendo dois gols no último periodo e completando a virada do Caps, que estava perdendo por 2-0 no inicio do 2° periodo.

No jogo 7, o primeiro disputado pelo Caps desde 1995 e o primeiro do Flyers desde 2004, o jogo foi empatado para o overtime em 2-2 e Martin Biron foi recompensado por suas 39 defesas e por Joffrey Lupul, que deu a série para o Flyers e a primeira decepção para Alex Ovechkin nos playoffs.

Jogos: Flyers 4-5 Capitals, Flyers 2-0 Capitals, Capitals 3-6 Flyers, Capitals 3-4 Flyers (2 OT), Flyers 2-3 Capitals, Capitals 4-2 Flyers, Flyers 3-2 Capitals (OT).

MVP: Daniel Briere – 11 pontos em 7 jogos (6 gols e 5 assistências).

11) #2 Washington Capitals 4-3 New York Rangers #7 – Quartas de finais da Conferência Leste 2009

A saga moderna entre Capitals e Rangers teve inicio nessa série e se estende até hoje com confrontos que geralmente se estendem a sete jogos. Esta saga se iniciou de uma forma, deveras curiosa e pouco vista, com atuações espetaculares de Henrik Lundqvist, incluindo um shutout no jogo 2, o Rangers tomou de assalto os dois primeiros jogos em Washington.

A partir dai, fora iniciada a saga de aconcimentos fora do gelo e dentro do gelo que merecem seus capitulos a parte. Antes do jogo 3, Alex Ovechkin foi proibido de assistir o pratice do Rangers na manhã do jogo. Resultado? Ovechkin, Alex Semin e o shutout de Seymon Varlamov colocaram o Caps de volta na série, mas o jogo 4 viu outra grande atuação de Henrik Lundqvist com 38 defesas e o 3-1 na série.

Capitals voltou para o Verizon Center com a faca no pescoço e a beira do buraco e enfrentaria o Rangers sem Sean Avery (o que pode se considerar um reforço), não relacionado por John Tortorella. No gelo, o Capitals ganhou por 4-0 e mandou Henrik Lundqvist para o banco, mas o jogo também ficou marcado pela atitude no minimo curiosa (e deveras feia) de John Tortorella, que jogou água e a garrafa (!!) em torcedores do Caps que ele discutia.

Em New York para o jogo 6, com John Tortorella suspenso, o Capitals fez mais cinco em Lundqvist (que havia defendido 141 dos 149 chutes), e novamente mandou o rei para o banco. Após a partida, Alex Ovechkin disse que Lundqvist “não poderia jogar toda partida como Deus”. Deus ou não, lá estavam Ovechkin e Lundqvist no jogo 7, jogo este que estava empatado em 1-1 até os 15:38 do último periodo, quando Sergei Fedorov, tal qual aquele #91 dos belos tempos de Red Wings, se viu com o puck e decidiu a série para o Capitals entrando para história como o jogador mais velho a marcar um gol que definiu a série. Além disso, o Caps ganhava seu primeiro jogo 7 desde 1998.

Jogos: Rangers 4-3 Capitals, Rangers 1-0 Capitals, Capitals 4-0 Rangers, Capitals 1-2 Rangers, Rangers 0-4 Capitals, Capitals 5-3 Rangers, Rangers 1-2 Capitals

MVP: Seymon Varlamov – 2 shutouts, 7 gols sofridos em 6 jogos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s